PM é preso após atirar e matar homem durante festa em Ecoporanga

Na madrugada deste domingo (24), por volta de 1h30 de manhã, um soldado da Polícia Militar atirou e matou um homem durante uma discussão em uma festa em Ecoporanga.

O militar, identificado como Olinto Marcial Jardim Junior, de 30 anos, atuava no 7º Batalhão de Cariacica e estava de folga com a família no momento do crime.

A vítima, identificada como Romário Costa Ramos, de 30 anos, chegou a ser levado para o hospital após ser atingido, mas não resistiu aos ferimentos e morreu. O caso aconteceu dentro do cerimonial Encontros, no bairro Vila Nova, em Ecoporanga.

Segundo a Polícia Militar, momentos antes de atirar contra Romário, o soldado discutiu com um homem no banheiro do estabelecimento. O jovem chegou a relatar à polícia que o militar havia mostrado uma arma para ele.

Ainda Segundo a Polícia Militar, após a discussão, o policial foi até o carro dele e, ao tentar voltar para a festa, Romário tentou argumentar para que ele não entrasse armado. Neste momento, Romário foi atingido por um tiro no abdômen.

Romário chegou a ser socorrido e foi encaminhado para o Hospital Fumatre, em Ecoporanga, onde recebeu os primeiros socorros. Em seguida, ele foi transferido para o Hospital Estadual Alceu Melgaço Filho, em Barra de São Francisco, onde não resistiu aos ferimentos e veio à óbito.

Já o soldado fugiu do local do crime. Por isso, policiais militares foram até a casa dos pais dele, que moram no distrito de Prata dos Baianos, interior de Ecoporanga. O pai do militar informou que Olinto estava passeando na cidade e que não havia retornado para casa. No entanto, enquanto a equipe ainda estava na residência, o suspeito fez contato com a mãe por telefone.

Olinto, então, conversou com o comandante do policiamento e disse que se apresentaria para prestar esclarecimentos, mas não foi encontrado na cidade. Na tarde de domingo, ele foi até a Divisão de Homicídios e de Proteção à Pessoa (DHPP), em Vitória.

A essa altura, o delegado titular de Ecoporanga, Leonardo Amorim, já havia feito uma representação pedindo a prisão do policial à Justiça. Em nota, a Polícia Civil afirmou que o pedido de prisão preventiva foi feito porque o soldado fugiu do local do crime.

O militar está preso no quartel da Polícia Militar, em Vitória, e disse que o tiro foi acidental.

A Polícia Militar informou que a corregedoria da corporação irá analisar o fato e a conduta do militar, de acordo com o Código de Ética e Disciplina dos Militares Estaduais.