Proposta de subsídio ao transporte público provoca polêmica em Aracruz

Manifestantes protestaram na Câmara Municipal, alegando que medida não resolve questões fundamentais

O preço e as condições do transporte público no município de Aracruz têm sido alvo de mobilizações sociais desde o ano passado, após aumento da tarifa. Nessa quarta-feira (11), manifestantes voltaram a se posicionar na Câmara de Vereadores contra a alteração na Lei Orgânica para permitir que a prefeitura subsidie parte do valor da tarifa. “Subsídio do transporte é uma farsa”, protestava um dos cartazes do ato.

A articulação de diversas pessoas e entidades em torno do movimento Nossa Aracruz tem pressionado o legislativo e o executivo e visibilizado as condições precárias e o alto custo da tarifa, levando por exemplo à instalação da CPI.

Outra demanda é da inclusão de representantes da sociedade civil no Contrate, conselho municipal de transporte que é responsável pela definição dos reajustes da tarifa e outros temas relacionados. Em abril, o movimento chegou a bloquear rodovias e a saída das garagens das empresas, o que gerou também processo contra lideranças e um certo nível de desmobilização, que o movimento pretende retomar junto a encontros com as diversas comunidades do município.

Duas empresas dominam o transporte público no município, que não possui uma tarifa única, sendo que as viagens para regiões mais distantes do Centro têm valor mais alto, podendo chegar a R$ 8.

O projeto para permitir subsídios ao transporte público foi aprovado em primeiro turno na Câmara de Vereadores e deve voltar para votação em segundo turno na próxima segunda-feira (16).