O prefeito de Colatina, Sergio Meneguelli (sem partido), anunciou que vetará todos os projetos de lei aprovados pelos vereadores da cidade, que concedem aumentos não só para eles próprios, como também para o chefe do Executivo e seu secretariado.

No dia 18 de novembro, os vereadores de Colatina aprovaram um Projeto de Lei que aumenta seus próprios salários de R$ 4.049,48 para R$ 7.290,00.

Já o próximo presidente da Câmara teria um aumento de 77%, saindo dos atuais R$ 4.936,94 para R$ 8.750,00.

Também foi aprovado o projeto de aumento do salário do prefeito (passando de R$ 9.758,01 para R$ 11.800,00) e de seu vice (de R$ 5.285,46 para R$8.300,00).

Já os salários dos secretários municipais e do procurador do Sanear (Serviço Colatinense de Meio Ambiente Ambiental), pela nova regra, também passaria a ser de R$ 7.290,00.

Há, ainda, previsão de pagamento de 13º salário para vereadores, prefeito e vice.

Tudo isso, se mantido, começará a valer a partir da próxima legislatura, em 2021.

Mas a enxurrada de aumentos provocou o descontentamento da população, que na semana passada foi à Câmara protestar.

Nosso departamento de jornalismo vê com muito interesse esse tema que deixa claro o descontentamento da população.

Em matérias anteriores noticiamos o recuo dos vereadores de Linhares que desistiram do aumento de seus vencimentos, assim como o aumento no número de parlamentares. Além de não aumentarem os seus salários, eles reduziram o atual valor.

O tema ainda foi discutido em Nova Venécia para a redução dos parlamentares em projeto de autoria do vereador Biel da Farmácia, no entanto o projeto foi rejeitado em votação.